b

b

terça-feira, 30 de abril de 2013

Mais de oitenta assassinatos registrados em abril, em São Luís

Os dados foram repassados pelo repórter Domingos Ribeiro, na rádio Mirante AM.

O que convem afirmar que a cidade de São Luis se tormou uma verdadeira zona de Guerra, em um mês mais de oitenta vidas foram ceifadas, e as autoridades públicas não tomam nenhuma providencia para conter esta matança.

No balanço feito pelo repórter Domingos Ribeiro, na edição desta terça-feira (30), do programa Ponto Final, na rádio Mirante AM, o mês de abril registrou 70 homicídios dolosos, seis lesões corporais seguidas de morte, dois latrocínios, oito mortos dentro do sistema prisional, cinco mortes por acidente no trânsito, duas mortes com causa a esclarecer e seis crimes a definir.

Investigação criminal do Ministério Público polemiza pauta do Congresso

O papel do Ministério Público (MP) nas investigações criminais está dividindo o sistema de Justiça do país. Puxada pela tramitação da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 37, a discussão já não se limita aos aspectos técnicos e esbarra em questões políticas e corporativas. Em uma série de cinco matérias, a Agência Brasil mostra os principais argumentos favoráveis e contrários ao projeto.

A PEC 37 foi apresentada em junho de 2011 pelo deputado federal e delegado de polícia Lourival Mendes (PTdoB-MA). O texto altera trecho da Constituição, indicando que a apuração das infrações penais é função privativa das polícias Civil e Federal. Na prática, a medida impedirá o Ministério Público de assumir investigação de crimes, prática usual desde que teve seus poderes ampliados na Constituição de 1988.

Dados do Ministério Público Federal indicam que, desde 2010, o órgão atuou 14,7 mil vezes por meio de procedimentos próprios na área penal e 77,9 mil vezes motivado por inquéritos policiais, termos circunstanciados e outros procedimentos judicializados. Não há dados consolidados sobre a atuação nos estados.

segunda-feira, 29 de abril de 2013

Ah, a falta de punição

O governo brasileiro parece estar perdendo o controle da situação de segurança pública. E, quando se fala em governo, isto refere-se a todas as esferas – federal, estaduais e municipais, independente de partidos políticos ou ideologias.
Novamente, mais episódios macabros e assustadores voltaram a aterrorizar a população, sem que providências enérgicas venham a ser tomadas. No Rio de Janeiro, Bernardo, jogador do Vasco da Gama, teria sido torturado por um dos líderes do tráfico de drogas da favela da Maré por ter paquerado a namorada de um marginal. Aliás, a moça também teria sido vítima da sanha do criminoso e agredida.

População subestima a gravidade da dengue, avaliam gestores de saúde

da Agência Brasil
Brasília - Quase 30 anos depois de a dengue ter se instalado no Brasil e apesar de todo o conhecimento sobre o ciclo do mosquito transmissor – o Aedes aegypti –, a doença ainda é um problema de saúde pública. Até meados de março já foram registradas 132 mortes e mais de 714 mil casos da doença em todo o país. Em 2012, no mesmo período, as notificações chegaram a 190 mil.
Para os gestores da saúde, a população subestima a gravidade da doença. “Não tem quem não saiba o que é e o que deve fazer para prevenir. Mas as pessoas ainda estão subestimando o poder dessa doença, ela mata", alertou Gilsa Rodrigues, coordenadora da vigilância epidemiológica da Secretaria de Saúde do Espírito Santo, estado que registrou a maior incidência da doença na Região Sudeste, com 1.171 casos até o fim de março.

sábado, 27 de abril de 2013

Crimes de menores

A imprensa tem registrado, como é de seu dever, episódios criminais gravíssimos protagonizados por adolescentes. Dentro da linguagem estatística, esses delitos representam dez por cento do total. Entretanto o crime praticado por um jovem assusta mais do que o mesmo crime praticado por um adulto.

De um adulto que tenha folha corrida negativa não se esperam comportamentos exemplares. Já com relação a uma criança ou adolescente, o que se quer é que esteja na escola, torce-se para que tenha um futuro, a criança é mesmo esperança. Como o inconsciente social é emocional, não é numérico, a estatística é abandonada. Um único homicídio, roubo ou até mesmo furto, praticado por alguém que tenha apenas dezesseis anos, fere profundamente a sensibilidade.

Receita intimou 117 mil pessoas em 2012 por indícios de infração na Declaração do IR

A Receita Federal informou hoje (26) que intimou 117 mil pessoas físicas em 2012 por indícios de infração praticada na Declaração do Imposto de Renda Pessoa Física. Em 2013, a  o objetivo é fiscalizar, a partir de abril, 200 mil pessoas, informou Caio Marcos Cândido, subsecretário de Fiscalização da Receita Federal.
A Receita informou ainda que, no ano passado, foram fiscalizadas mais de 282 mil pessoas físicas, com um montante de crédito a favor do governo, como impostos, multas e juros, chegando a R$ 6,03 bilhões. O destaque ficou com os proprietários e dirigentes de empresas, que geraram crédito de R$ 1,76 bilhão, profissionais liberais, com R$ 344, 9 milhões e funcionários públicos e aposentados, com 186,08 milhões.

quinta-feira, 25 de abril de 2013

Aprovado projeto que torna mais rigorosa pena para quem provocar morte em racha no trânsito

da Agência Brasil
Brasília - A Câmara dos Deputados aprovou hoje (24) projeto que aumenta as penas para quem fizer rachas, ultrapassagens perigosas ou forçar ultrapassagens no trânsito. A proposta também transforma as penas de detenção em reclusão (prisão), aumenta essas penas e equipara as multas nos casos de racha e ultrapassagem perigosa às cobradas em razão da lei seca. A matéria segue para análise do Senado.

O autor do projeto, deputado Beto Albuquerque (PSB-RS), disse que é a primeira vez que se incluiu no Código de Trânsito Brasileiro (CTB) a pena de prisão para motoristas infratores. “Pela primeira vez, o código de trânsito recebe a pena de prisão por homicídio. Atualmente, o código só prevê pena de reclusão, que muitas vezes é convertida em cesta básica. A gente traz para o código que no trânsito também se comete assassinatos”, disse o parlamentar.

Segundo o texto, o motorista que for flagrado em ultrapassagem perigosa pagará multa, nos valores de hoje, de R$ 957,70, e os que forem pegos em racha e ultrapassagem forçada pagarão multa de R$ 1.915,00. As punições para os infratores foram, em muitos casos, aumentadas.

O projeto também estabelece que nos casos de morte provocada por racha, a pena para o condutor do veículo será de cinco a dez anos, se o condutor provocar, na mesma circunstância, lesão corporal grave a pena será de três a seis anos de reclusão. O CTB estabelece atualmente prisão até dois anos, que podem ser convertidas em penas alternativas.

O texto aprovado pelos deputados muda nove artigos do atual Código de Trânsito Brasileiro. Todos visam a tornarmais rigorosa as penas para infrações de trânsito, suspensão do direito de dirigir e apreensão do veículo. O projeto também estabelece que no caso da reincidência da infração no período de 12 meses a multa será aplicada em dobro.

Ainda de acordo com o texto aprovado, no caso de competição, eventos organizados, exibição e demonstração de perícia e manobra de veículo, ou deles participar, como condutor, sem permissão da autoridade de trânsito, as penalidade são aplicáveis aos promotores e aos condutores participantes do evento.

terça-feira, 23 de abril de 2013

'Renato Russo era tratado como débil mental pela imprensa', diz Dado

Do G1, em São Paulo
Dado Villa-Lobos (Foto: Divulgação)Dado Villa-Lobos (Foto: Divulgação)
 Ele fala de críticas a tributo a Legião: 'Acho que Wagner ficou chateado'. Villa-Lobos lança disco solo na web e descarta mais homenagens: 'Chega'.

"Nada ficará para sempre como antes", canta Dado Villa-Lobos na primeira faixa de seu segundo disco solo, o novo "O passo do colapso". Ele explica ao G1 que a música "Colapso" é "apocalíptica", mas que a destruição pode ser positiva: "Pode ser o apocalipse ou 'vamos embora', dá pra resolver", tenta explicar. Na entrevista, o ex-guitarrista da Legião Urbana, aos 47 anos, mostra mais interesse em entender as mudanças do mundo e indústria musical de hoje do que em repetir o passado.

No tributo à Legião Urbana gravado em maio de 2012, o ator Wagner Moura, que cantou as músicas da banda, disse que poderia ser a última vez juntos do guitarrista Dado e baterista Marcelo Bonfá, ex-Legião. Mas um dos convidados do disco - além de Mallu Magalhães, Paula Toller, Bi Ribeiro, João Barone, Rodrigo Barba e outros -  é Bonfá. "Com o lance da Legião foi [a última vez]", diz Dado, explicando que o encontro pode acontecer em projetos que não sejam tributos à antiga banda. "Chega", diz.
Sobre a repercussão do show gravado em maio de 2012, Dado diz: "Acho que pegaram muito pesado com o próprio Wagner e a gente por tabela". O músico diz que críticas não são novidades na história da Legião.  "A gente foi muito esculachado. O Renato era tratado como um débil mental, messiânico, pela imprensa. Na época a imprensa fazia esse papel, hoje em dia não, está 'no dedo de cada um'. A gente teve shows bem ruins, só que ficou ali, naquele lugar onde aconteceu."
Uma das músicas do novo disco, "Filho", foi feita para Nicolau Villa-Lobos, que interpreta o pai no filme "Somos tão jovens", com estreia prevista para 3 de maio. A composição veio antes do filme, em momento delicado de saúde. "Ele tinha um buraco de 4 milímetros no coração, um negócio violento. Ficou seis meses parado. Aprendeu a jogar pôquer e hoje é um ‘fodão’ mundial", conta Dado sobre o filho.
Dado Villa-Lobos (Foto: Divulgação/Facebook/Página do artista)Dado Villa-Lobos (Foto: Divulgação)
G1 - Você já disse que tinha dúvidas existenciais ao fazer ‘O passo do colapso’. Quais eram?
Dado Villa-Lobos - Inquietação generalizada. Questionei o motivo de fazer música, para que, como, quem ouve, onde está o circuito, cadê o mercado.  Fiquei me sentindo um estrangeiro, fora do esquema, não conseguindo achar um espaço para tocar. Era meio "profeta pregando no deserto", uma sensação esquisita. Isso foi há cinco anos. E as percepções foram mudando. Disso tudo saiu um projeto, um disco. E fui percebendo que as coisas mudaram. Consigo comprar música de novo, pelo celular. Sou contra a música ser de graça. Pago, faço questão. As pessoas envolvidas têm que ser remuneradas. Pelo meu telefone comprei discos de meus artistas preferidos em 2012 : The xx, Cat Power, Dylan. O que não inviabiliza o meu disco físico, que sai agora. Rolou uma revitalização de ânimos.
G1 - Então quando você canta, em “Colapso”, que “nada ficara pra sempre como antes, eu sei”, isso pode ser pessimista e otimista ao mesmo tempo?
Dado Villa-Lobos - Exatamente. A música é meio apocalíptica, bíblica. “Vou derreter o chão, descendo o morro”. Falo sobre o que acontece todo ano nesse lugar: colapso ambiental, social, chuvas que mataram mil pessoas em Teresópolis. “Nada ficará para sempre”. Pode ser o apocalipse, o final, ou "vamos embora, dá pra resolver".
Eu não conseguia olhar para um CD, era um negócio que dava nojo. O que me irrita é quando alguém grava um CD e fala que é um cartão de visita, para tocar ao vivo. Virou um artigo de quinta categoria, perdeu o valor. Mas acho que as coisas estão retomando o caminho."
Dado Villa-Lobos, músico
G1 - Você colocou o disco inteiro no YouTube. Quando era dono do selo Rock It, imaginou que faria isso um dia?
Dado Villa-Lobos - Nunca imaginei. Hoje quando eu quero ouvir que ainda não tenho, vou ao YouTube. É uma janela. Mas se o cara se apega, vai querer em um CD, no celular dele. Há dez anos eu estava fechando a gravadora, pois a pirataria tinha dominado o mercado. E falei: "Perdi".  Chegamos numa época, lá para 99, em que você enchia o tanque do carro e ganhava um CD. Ficou absurdo, eu não conseguia olhar para um CD, era um negócio que dava nojo. O que me irrita é quando alguém grava um CD e fala que é um cartão de visita, para tocar ao vivo. Virou um artigo de quinta categoria, perdeu o valor. Mas acho que as coisas estão retomando o caminho.
G1 - No tributo à Legião Urbana, feito no ano passado pela MTV, o Wagner Moura disse que talvez aquela seria a última vez que veríamos Bonfá e Dado juntos. Mas o Bonfá toca nesse disco.
Dado Villa-Lobos - É que o disco foi gravado antes de aquilo acontecer. Foi em 2010 que rolou a gravação. Foi antes da Copa do Mundo, o Kassin estava produzindo o disco da Vanessa da Mata, e ela teve que fazer um show na África do Sul. Sobrou uma semana para o Kassin. E ele falou para chamar o Barba [baterista dos Los Hermanos], o Bonfá. O Kassin adora o Bonfá, eu também. Ele começa a tocar e eu não preciso nem olhar. É uma coisa natural.
Acho que pegaram muito pesado com o próprio Wagner e a gente por tabela. (...) Se estivéssemos na Legião, provavelmente a gente seria esculachado, porque a gente foi muito esculachado. O Renato era tratado como um débil mental, messiânico, pela imprensa"
Dado Villa-Lobos, músico
G1 - Então o show de tributo foi a última vez com vocês juntos?
Dado Villa-Lobos -
Com o lance da Legião foi. O lance da MTV com o Wagner foi tão polêmico, tão esquisito a repercussão que teve... Na verdade tinha sido preparado como uma "autocelebração", para lembrar os 30 anos do Legião, daquelas canções. O convite foi da MTV. O Wagner topou a ideia, e é muito fã, conhecia todas as músicas de cor. A gente tentou montar um repertório que passeasse pela história inteira da banda, desde tocar música que jamais tinha tocado: “A Via Láctea”, “Esperando por mim”. Não era só o Wagner cantando as músicas, tinha também Bi Ribeiro, Andy Gill [do Gang of Four], que sempre foi o cara que admirávamos muito, o Renato era fã. E assim foi. Para mim quem estava lá viveu realmente uma catarse incrível. Valeu muito a pena. E não tem mais sentido repetir. Já foi.
G1 - A repercussão e a polêmica te chatearam de alguma forma?
Dado Villa-Lobos - Não. Acho que o Wagner ficou chateado, claro que chateou. Acho que pegaram muito pesado com o próprio Wagner e a gente por tabela. Era aquele momento, passou. A Legião acabou, já foi. Se estivéssemos na Legião, provavelmente a gente seria esculachado, porque a gente foi muito esculachado. O Renato era tratado como um débil mental, messiânico, pela imprensa. Na época a imprensa fazia esse papel, hoje em dia não, está no dedo de cada um. A gente teve shows bem ruins, só que ficou ali, naquele lugar onde aconteceu. Em cima do palco, você está se arriscando a cada momento, e a gente sabia disso. O próprio Wagner falou que é isso que motiva ele a ser artista, disse: "Eu preciso me arriscar". Para ele foi um grande desafio. Realmente cantar todas as músicas da Legião não é fácil. Tem toda a questão mítica, a aura, que ainda contribui para a reação das pessoas.
G1 - Então é possível encontrar com o Bonfá em outros discos, de outros projetos?
Dado Villa-Lobos - Encontrar o Bonfá não tem problema. O que foi colocado é que não vamos fazer mais aquilo, tocar um show exclusivamente de músicas da Legião. O ápice foi aquele momento. Não cabe mais. Chega.
Meu filho passou por um procedimento cardíaco quando tinha 20 anos, implantou um catéter. Ele tinha um buraco de 4 milímetros no coração, um negócio violento (...) A ideia [da música 'Filho'] era de confortá-lo. Ele ficou seis meses parado. Aprendeu a jogar pôquer e hoje é um ‘fodão’ mundial."
Dado Villa-Lobos, músico
G1 - Sobre a música “Filho”, como foi a composição? Ele estava dormindo mesmo, como diz a letra?
Dado Villa-Lobos - É versão de uma música que adorava, “Son”, do primeiro disco do Scott Weiland [ex-Stone Temple Pilots]. Meu filho [Nicolau, 24 anos, irmão da estilista Miranda, 23] passou por um procedimento cardíaco, quando tinha 20 anos, implantou um catéter. Ele tinha um buraco de 4 milímetros no coração, um negócio violento, era grande e nenhum pediatra tinha detectado. Ele fez isso e teve que ficar um tempo de molho, sendo que jogava muito futebol. A ideia era de confortá-lo. Ele ficou seis meses parado. Aprendeu a jogar pôquer e hoje é um ‘fodão’ mundial. Ele foi o brasileiro mais bem colocado no campeonato mundial de pôquer no ano passado.
G1 - Chegou a acompanhar alguma gravação do filme em que ele te interpreta?
Dado Villa-Lobos - Já viu o filme, ele [Nicolau] está bem, "relax". Mas quem está bem mesmo é o Thiago Mendonça [que interpreta Renato Russo], ele arrebenta. Lembrei muito, todos os trejeitos, os jeitos de falar, o jeito da mão dele. "Baixou" o Renato nele. O diretor me chamou para ver o corte final. Falei que estava joia. É um bom filme, reproduziu bem o a atmosfera daquela Brasília de 79 a 85. E tem a cena final que é incrível, um show da Legião no Rio, com imagens da época.

segunda-feira, 22 de abril de 2013

Acidentes de trânsito, a culpa é de quem?

Ontem mais duas pessoas perderma sua vida em acidentes de trânsito em nossa região, fora vários acidentes que ocorreram, alguns com lesões graves e outros apenas com danos materiais, no acidente que vitimou um jovem de 14 anos na avenida raimundo oliveira, vejam só: Além da moto ser conduzida por uma pessoa que não possuia habilitação, o veiculo que tem capacidade para transportar duas pessoas, carregava três, além do excesso de velocidade, fato este comprovado por todos os que presenciaram o acidente.

Agora muita gente vai ficar sentindo pena, outros vão dizer que foi imprudência, impericia, irresponsabilidade, mas daqui a pouco esqueçem, e continuam praticando os mesmos desrepeitos as leis de trânsito.

- Em princípio, a prioridade de tráfego de veículos é do motorista que dirige pela rodovia principal em relação à rede viária secundária. No entanto, não se trata de princípio absoluto, devendo o motorista que dirige pela rodovia principal, como, de resto, todos os condutores de veículos automotores, fazê-lo com a devida atenção, cuidado, prudência e perícia.

 Dai por que age com imprudência o motorista que, embora trafegando por via preferencial, o faz estando, precárias as condições de visibilidade, com velocidade excessiva, vindo a colidir com veículo que, provindo de artéria secundária, aquela estava a cruzar. Age com a manifesta culpa o motorista que, provindo de artéria viária secundária, o faz sem observar adequadamente o movimento dos veículos que transitam pela rodovia preferencial, vindo a cortar à frente de automóvel que por essa trafegava, contribuindo dessa forma, para que a colisão e conseqüentes danos viessem a ocorrer.

è comum nas ruas e avenidas de nossa cidade se ver menores pilotando motos, e dirigindo carros, isso é fácil de ser constatado, basta observar, e este fato é comum na frente das escolas de nossa cidade, será que o pai quando entrega um veiculo ao filho menor ele não está armando o seu filho com uma arma, e que essa arma pode ser letal? Será que ao permitir que seu filho saia pilotando ou dirigindo pelas ruas e avenidas, esse pai ou essa tem a noção exata das consequencias de seu ato?

Dai quando os acidentes acontecem ficam as consequencias, por muitas vezes jovens tem suas vidas ceifadas na loucura que é o trânsito, aqui em Chapadinha tá virando rotina um monte de adolescentes de posse de motos andarem empinando o pneu des seus veiculos, será que a culpa é dos orgaõs de fiscalização, ou dos pais que compra estes veiculos e disponibilizam a seus filhos?

Tenho visto o empenho dos orgãos de fiscalização aqui em Chapadinha, mas há entraves para o trabalho destes orgãos, vejamos: Pedido politicos para liberação de motos, liberação de notificações, falta de veiculos para a Guarda Municipal de Chapadinha, já que o veiculo que encontrava a disposição da mesma, foi vitima de depredação, e no momento a situação da Guarda e critica em relação a veiculos.

Nós que somos país temos que fazer a nossa parte, vamos deixar de colocar a culpa de nossos erros nas outras pessoas ou entidades, seria interessante que façamos a nossa parte em relação ao trânsito, já que fazemos parte dele, e poderemos ser uma vitima em potencial, a nossa sociedade tem que deixar de hipocrita e fazer a sua parte, as coisas não pode mais ficar do jeito que está.

Justiça condena 23 policiais militares pelo Massacre do Carandiru

No início da madrugada de hoje (21), 23 dos 26 policiais militares acusados da morte de 15 detentos no Massacre do Carandiru foram condenados pelo Tribunal do Júri. O juiz José Augusto Nardy Marzagão, que presidiu o julgamento, fixou a pena em  em 156 anos de reclusão para cada um, em regime inicial fechado. Os réus podem recorrer em liberdade. Roberto Alberto da Silva, Eduardo Espósito e Maurício Marchese Rodrigues foram absolvidos. 

O julgamento durou seis dias, após um jurado passou mal na noite do segundo dia e os trabalhos ficaram suspensos por um dia e meio.

O Massacre do Carandiru é conhecido como o maior massacre do sistema penitenciário brasileiro e ocorreu no dia 2 de outubro de 1992, quando 111 detentos foram mortos e 87 ficaram feridos durante a invasão policial para reprimir uma rebelião no Pavilhão 9 do Presídio do Carandiru.

O único envolvido cujo julgamento chegou ao final, coronel Ubiratan Guimarães, foi inocentado pelo Tribunal de Justiça de São Paulo em fevereiro de 2006. Em 2001, ele foi condenado a 632 anos de prisão pela morte de 102 dos 111 prisioneiros vítimas na invasão do complexo penitenciário do Carandiru. O militar foi assassinado em setembro de 2006, em crime do qual a namorada foi acusada e depois absolvida (em novembro do ano passado), por falta de provas.

sexta-feira, 19 de abril de 2013

Criança é tão criminosa quanto um adulto?

Chega a ser irônico. Neste 18 de abril, temos o Dia Nacional do Livro Infantil, uma homenagem ao dia de nascimento de Monteiro Lobato. Mas ontem veio a público uma pesquisa do Datafolha sobre a redução da maioridade penal. Por que fenômenos tão diferentes se avizinham? Um calendário não se explica, pois na véspera do Dia do Livro Infantil soubemos que 93% dos moradores da cidade de São Paulo querem a prisão para  menores a partir de 16 anos. Noventa e três por cento são quase uma unanimidade.

O que é isso? Por experiência, acredito que a pesquisa espelha um dado real. Em um programa de direitos humanos no rádio, o Violência Zero, travamos com travo esse conhecimento. No estúdio da Rádio Tamandaré, no fim dos anos 80, sentíamos a disputa de ideias na sociedade do Recife entre punir sem medida e o direito à justiça. Mas não com esses números. Ainda que sem método científico, pelos telefonemas dos ouvintes, notávamos que a divisão entre os mais bárbaros e civilizados era quase meio a meio. O que houve agora para esse assalto de vingança? Segundo o Datafolha, foi a maior aprovação à proposta de redução penal. Em 2003 e 2006, o apoio foi de 83% a 88%.

É claro que a última pesquisa espelha um instante de abalo emocional  na população.  Ela veio depois do assassinato do universitário Victor Hugo Deppman. O suspeito pelo crime é um jovem que estava a três dias de fazer 18 anos. Isso foi repetido à náusea.   Naquele tempo do Violência Zero no rádio, não sofríamos o massacre de imagens repetidas na televisão. Melhor dizendo, sofríamos, mas a doutrinação não atingia os noticiários mais “educados”, como o Jornal Nacional, Jornal da Band e outros. Antes, as insinuações do “só vai matando” ficavam restritas aos guetos dos programas policiais. No entanto, consideremos.    

Ainda que sinta a batalha perdida diante do clamor, é um dever de consciência não seguir a onda do momento. Está certo, é justo, criminosos têm que ser punidos. Se possível, com algo exemplar, que iniba e reprima o crime. Mas para a maioridade penal que deveria cair, levanto algumas perguntas:  
Qual seria o limite da redução? 12 anos, 11 anos, 10,9, 8, 7 anos? Bebês? Qual o limite? Sintam que a cada redução devem ocorrer novos crimes que estarão no limite da punibilidade. Mais: com o necessário aumento da população carcerária, que já é um inferno e um fracasso do sistema, não estaríamos dando ótimas escolas do crime aos meninos?

Já imagino que os reformadores do Código Penal podem argumentar que teríamos alas de criminosos de 16, outra de 15, mais outra de 14, até atingir um berçário... mas tudo dentro das mais perfeitas condições de higiene e cura da perversão. Diante do crime que ameaça e atinge a própria casa, já existe quem declare pérolas do gênero “sou de opinião que não deveria haver nenhuma idade mínima na lei”. Salve, daí partiremos fácil fácil para a pena de morte aplicada aos diabinhos mais precoces.

Enquanto isso, não vemos, ou fingimos não ver a exclusão social e humana que cobre as cidades. Comemos, bebemos, vestimos, vamos aos shoppings  sem olhar para os lados. E depois nos surpreendemos o quanto o mundo pode ser cruel quando atinge a estabilidade – porque nos julgamos estáveis em chão sólido -, ou a estabilidade  sagrada – por tudo quanto mais é santo e elevado acima da animalidade dos outros, que não somos nós mesmos -  a estabilidade sagrada dos nossos lares – pois somos aqueles que temos casa, enquanto os outros, ah, eles dormem na rua, que casa podem ter?  Seria até uma questão de justiça, nós os humanos temos que destruir e tirar dos olhos a mancha da escória.
Lembro que uma vez perguntei a idade a um menino que cheirava cola nas ruas do Recife. “Onze anos”, ele me respondeu. E eu, com minhas exatidões burras de classe média: “Vai fazer, ou já fez?”. Silêncio. Eu insisti, crente de que não havia sido entendido. “Você faz anos em que mês?”. Então ele me ensinou, antes de correr até a esquina:
- Tio, eu não tenho aniversário.

Todos não notamos que vem dessa exclusão o alimento e sangue para o horror. Enquanto fazemos de conta que nada temos a ver com isso, crescem os comentários com que termino a coluna, no Dia do Livro Infantil:  se os Direitos Humanos criarem caso, prendam ou os arranquem para fora do Brasil ! Temos que punir duramente quem mata, sequestra, seja quem for. Com a idade de treze anos sabem muito bem o que estão fazendo. Se não melhorarem com novas leis, pena de morte.

 autor deste artigo Urariano Mota

Preso em Maracaçumé suspeito de matar cantor brega

da Central de Notícias
Um suspeito de envolvimento na morte do cantor maranhense Evaldo Cardoso, em março deste ano, em Maracaçumé, foi detida nesta quinta-feira (18).

A informação é da Secretaria de Segurança Pública, através da Superintendência de Polícia Civil do Interior.

A pesar do nome do suspeito não ter sido revelado foi confirmado que se trata de um professor de Maracaçumé, e ainda, o motivo teria sido uma discussão entre ambos.

O suspeito deverá ser transferido para São Luís, os indícios contra o professor são fortes, e mais pessoas podem estar envolvidas.

O cantor de musica brega, Evaldo Cardoso, 41 anos, foi encontrado morto no interior de sua residência em Maracaçumé, no último dia 31 de março.

O seu corpo já exalava mau cheiro, o que chamou atenção dos vizinhos que chamarão a polícia. Após arrombarem a porta da residência o corpo foi encontrado.

Mesmo sendo levantada em principio, a possibilidade da causa do óbito ser natural, familiares ainda no local do achado denunciaram vestígios de lesões físicas no corpo do cantor.

Eles também disseram que pertences dele haviam sumido. Evaldo Cardoso tinha sido visto pela última vez na quinta-feira (28), quatro dias antes de ser encontrado morto.

terça-feira, 16 de abril de 2013

Proposta que altera atual lei antidrogas deve ser votada esta semana na Câmara

Proposta que altera a atual lei antidrogas deve ser votada nesta semana pela Câmara dos Deputados. Entre as mudanças na legislação estão o aumento da pena para o tráfico, a possibilidade de internação involuntária de usuários a pedido da família e a isenção fiscal às empresas que derem emprego a dependentes químicos em recuperação. A proposta também obriga as empresas a ofertarem vagas para ex-usuários em todos os contratos fechados com recursos públicos.

O texto prevê a responsabilização administrativa dos três níveis de governo: o municipal fará a prevenção; o estadual, o atendimento e a repressão e o federal, as ações de atendimento e repressão de maior complexidade. Também fazem parte das mudanças, a criação do Sistema Nacional de Avaliação e Monitoramento e maior taxação de cigarros e bebidas para auxiliar no financiamento.

O projeto está pronto para ser votado pelo plenário, mas ainda não há consenso sobre diversos pontos, principalmente em relação à internação compulsória de usuários. Amanhã (17), o presidente da Casa, deputado Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), reúne-se com os líderes partidários para tratar da votação da matéria.

De autoria do deputado Osmar Terra (PMDB-RS), ex-secretário de Saúde do Rio Grande do Sul, a proposta foi analisada, conjuntamente com outras proposições semelhantes, por comissão especial que realizou 30 audiências públicas para discutir o tema. O texto aprovado pelo colegiado é um substitutivo, de autoria do deputado Givaldo Carimbão (PSB-AL), que engloba sugestões dos vários projetos e de propostas colhidas nos debates.

Pelo texto, 33 pontos no Sistema Nacional de Políticas Públicas sobre Drogas (Sisnad) serão modificados. Além da possibilidade da internação compulsória, a proposta permite a inclusão das comunidades terapêuticas no atendimento público dos usuários e a abertura de vagas em escolas técnicas para dependentes em recuperação.
As comunidades terapêuticas são centros de recuperação de usuários criadas pela sociedade civil para suprir a carência de vagas para tratamento na rede pública ou conveniada. Atualmente, elas não recebem recursos públicos. Com a medida, essas entidades poderão ser financiadas pelo Estado, desde que se subordinem às regras de qualificação e gestão do Sistema Único de Saúde (SUS).

Segundo Osmar Terra, o projeto não se limita ao combate às chamadas “cracolândias”, mas ao resgate pleno do paciente. “O objetivo é desintoxicar. A pessoa vive na rua, come resto de lixo, vendeu tudo o que tem em casa, não trabalha, estuda, ou cuida da família, não tem capacidade de discernir o que é bom para ela e precisa da ajuda da família. Hoje, só é internada se quiser, pois a lei atual é restritiva. E nós colocamos que pode ser internada mesmo contra a vontade, se a família pedir e o médico determinar”, argumentou Terra.

Da Agencia Brasil

Vantagem de Flávio Dino, para seu adversário melhor colocado é de 46,23%

Do Blog do Jonh Cutrim
Nova rodada de pesquisa do Instituto Amostragem/Jornal Pequeno confirma o favoritismo de Flávio Dino, que venceria a disputa pelo governo do estado no 1º turno se as eleições fossem hoje. Dino lidera com folga todos os cenários testados contra os possíveis candidatos da governadora Roseana Sarney.
O Presidente da Embratur, Flávio Dino. (Foto: Arquivo/Reprodução)
O Amostragem ouviu 1.300 pessoas em 40 municípios do Maranhão nos dias 5, 6 e 7 de abril e tem margem de erro de 2,66% para mais ou para menos.
O levantamento aponta que Flávio Dino tem hoje 62,15% das intenções de voto. Luís Fernando aparece com 15,23%. Nulos e brancos ficam em 7% e 15,62% dizem que não sabem ou não responderam. A diferença pró Flávio Dino é de 46,23%.
Quando o confronto simulado é entre o presidente da Embratur, Flávio Dino, e o ministro Edson Lobão, o candidato oposicionista também tem uma grande vantagem. Dino lidera com 57,68%, enquanto Lobão pontua em 27,38%. Nulos e brancos somam 4,62% e 10,31% não responderam ou não sabem. Neste caso a diferença pró Flávio Dino é de 30,3%.
Flávio Dino lidera também com larga vantagem a sondagem espontânea, aquela em que não se apresentam os nomes dos pré-candidatos. Dino tem 17,62% das intenções de voto, seguido de Roseana Sarney, que não pode concorrer para o governo em 2014, com 10,23%. Neste quesito Luís Fernando aparece com 1,69%, Edson Lobão(1,46%), outros(4,16%) , brancos e nulos 1,46% e não sabem ou não opinam(63,38%).
No item rejeição, em que o entrevistador pergunta em que o eleitor não votaria, Lobão tem hoje 32%, Luís Fernando 17,31% e Flávio Dino possui 10,08%.
Evolução de cenários – Na comparação feita entre as duas pesquisas feitas pelo Instituto Amostragem/Jornal Pequeno, Flávio Dino permanece com larga vantagem em relação aos demais candidatos. No levantamento feito em novembro de 2012, o presidente da Embratur chegava a 55,4% em intenção de votos no cenário com Lobão, que aparecia com 31,92%. Agora apresenta 57,69% contra 27,38%.
No cenário com o secretário de Roseana Sarney, Flávio Dino tinha 63,08% e oscilou para os 62,15% de agora. Já Luís Fernando caiu de 20,15% para 15,23%, bem acima da margem de erro da pesquisa.

segunda-feira, 15 de abril de 2013

Pais: problemas para os filhos?

Certas generalizações podem nos fazer incorrer em falsos juízos de valor, beirando o preconceito. Uma dessas falácias – e confesso que muitas vezes me peguei tentado a reproduzi-la – é a afirmação categórica de que os nossos jovens são, hoje, menos preocupados com os problemas sociais ou políticos do país do que os das gerações anteriores. E que são, também, cada vez mais insensíveis com as dores alheias. É comum, aliás, de uma forma simplista, transferir para os próprios jovens a responsabilidade integral por essa “alienação egocêntrica”,  como se eles não fossem, como são, produtos de um meio que em nada contribui para a seu engajamento social ou solidário , com diversas forças que, de forma inocente ou intencional, atuam na disseminação desse vírus do desinteresse.
O curioso é que os próprios jovens, quando interrogados, assumem essa posição extremada, julgando-se, sem maiores considerações,  menos envolvidos com a sociedade do que os de todas as  gerações anteriores. Recentemente, discutindo em sala um texto que propunha esse tema – um artigo de Luís da La Mora , “Juventude e Participação”, que serviu de base a uma prova recente da UERJ -, ao perguntar aos meus alunos se eles se julgavam mais alienados que os seus antecessores, ouvi um quase uníssono “sim”, só comparável ao “não” que também ouvi quando os inquiri sobre se seus pais eram mais participantes que eles.
A mistura entre esse “sim” e esse “não” talvez seja uma das chaves da questão. Os filhos reproduzem, creio que em boa  parte, os valores transmitidos pelos pais e, no caso desses jovens, com   16/17 anos,  seus pais (hoje com seus 40 anos, em média) pertencem a uma geração que parece ter primado historicamente pelo descompromisso e pela inércia ideológica. Alguém poderia lembrar,  talvez, o movimento “fora Collor”. Mas uma análise fria, ditada pelo distanciamento no tempo,  torna  cada vez mais difícil entender se esse movimento foi de inspiração do povo consciente e de seus cara-pintadas, das oligarquias políticas invejosas por não participarem da suposta farra na “Casa da Dinda”  ou da ação da mídia comprometida com esses segmentos. 
Os jovens de hoje – e falo  dos que poderiam ter, pela educação e pelo berço , um juízo crítico que os levasse a atuar mais efetivamente nas atuais questões nacionais -  cresceram junto a uma ambiência familiar que, no geral,  um sinal dos tempos , faz predominar uma visão individualista, egocêntrica e hedonista. Voltados para o culto de si mesmos, os adultos estão se afastando da sempre trabalhosa obrigação de educar os filhos que põem no mundo. E parecem ter pouco tempo para preocupações e juízos críticos que lhes permitam atuar como transmissores de valores.  Quando muito, para estar de bem com sua consciência, alguns se declaram, ao menos nas palavras,  “ecológicos”, “preocupados com a natureza”, “atentos ao futuro sustentável do planeta”, mas deixam de lado o homem, única razão da ecologia. Costumo dizer, metaforicamente, que há muita gente por aí que é capaz de abraçar uma árvore sem perceber que está pisando no mendigo deitado à sua sombra...  E, nesse contexto,  os jovens, sem grandes alternativas (e ressalvadas, é claro,  as exceções)  seguem direitinho essa cartilha, esse modelo.
Penso que, preocupados em eleger a felicidade individual como o único bem a ser perseguido – o que, na visão geral,  passa, necessariamente, pela valorização dos aspectos materiais da vida – as famílias estão se omitindo no processo de formação de seus jovens,  gerando pequenos reizinhos e rainhas, arrogantes e insensíveis ao outro, que serão os cultores dos umbigos de amanhã. Em nome de não magoar os filhos com negativas, de não “traumatizá-los”, ou não transformá-los em “rebeldes”, e dentro dessa visão do desfrute e do prazer no campo individual, os pais estão optando pela facilidade das concessões, que resolvem problemas menores imediatos e certamente gerarão grandiosos problemas no futuro. Em um muito interessante (e quase trágico) estudo voltado para a sua área, a psicanalista Márcia Neder, em seu mais recente livro, cunha o termo “déspotas mirins”, que serve de título à obra, para designar os pequenos comandantes de um regime social que se estaria implementando nos tempos de hoje  e que a autora intitula de “pedocracia”.  
Sim, os nossos jovens não participam como poderiam, ou deveriam. Mas penso que esse não é o problema central da discussão porque, honestamente,  mesmo nos tempos áureos das passeatas e dos movimentos estudantis neste país, os ativistas jovens estavam longe de constituir uma maioria, embora vivenciando os monumentais problemas sociais e políticos que os anos de chumbo traziam consigo.
O que deve preocupar, mais que tudo, nesse assunto, é a busca de uma resposta satisfatória  a indagações cada vez mais frequentes sobre o tipo de mundo que se está criando para o jovem. Se antes era complicada a sua participação social, agora está mais difícil. Se “participar” é “ser parte de”, fica complicado isso para quem é “educado” para se achar “o todo”.  As novas famílias estão contaminadas por um novo “carpe diem”, onde o prazer do momento e a felicidade fugaz são os móveis maiores, passando de pais para filhos ; as nossas escolas se acomodam aos interesses dos “clientes”, não estabelecendo, como deveriam, um contraponto a esse processo deformador; e a nossa mídia, bem afinada com interesses de mercado que a sustentam, trabalha no sentido de substituir o cidadão social pelo compulsivo consumidor individual. E o nosso jovem –  elo mais fraco disso tudo, com  suas posturas e seus equívocos – está no olho desse furacão.

 autor deste artigoRodolpho Motta Lima

Roseana Sarney se aposenta pelo Senado e receberá R$ 20,9 mil

O Senado concedeu aposentadoria de R$ 20,9 mil mensais à governadora do Maranhão, Roseana Sarney (PMDB). A decisão foi publicada no boletim administrativo do Senado nesta quinta-feira (11). Roseana vai somar a aposentadoria com R$ 15,4 mil, salário de governadora.

Segundo o Senado, Roseana foi contratada sob o regime de CLT em 9 de novembro de 1984. No período em que ficou licenciada para exercer outro mandato, Roseana não foi remunerada, segundo o Senado.

A assessoria do Senado não soube informar desde quando a governadora está licenciada do cargo, mas disse que o valor de R$ 20,9 mil é o padrão para o cargo e não inclui vantagens individuais.

Roseana se aposentou no cargo de analista legislativo. Em 2012, o Senado gastou R$ 1,2 bilhão com o pagamento de aposentados e pensionistas.

Por meio de nota, Roseana afirmou que ingressou no Senado em 1974, por meio de processo seletivo, apesar de não ter prestado concurso público. Segundo a nota, “a aposentadoria ocorre 38 anos depois” e Roseana irá “devolver aos cofres públicos” o valor que ultrapassar o teto de R$ 28 mil estabelecido para o servidor público.

Roseana é filha do senador José Sarney (PMDB-AP), que foi presidente do Senado por quatro vezes: de 1995 a 1997, 2003 a 2005, de 2009 a 2011 e de 2011 até 2012.

Roseana começou a carreira política em Brasília como deputada federal, de 1990 a 1994, foi governadora do Maranhão pela primeira vez de 1995 a 2002, senadora de 2003 a 2009, e governadora novamente de 2009 até hoje.
 
Fonte: G1

quinta-feira, 11 de abril de 2013

Estudante de baixa renda fica isento da taxa de vestibular em instituição federal

da Agência Brasil
Brasília – Estudantes de baixa renda que cursaram todo o ensino médio em escola pública não precisam mais pagar taxa de inscrição em vestibulares de instituições federais. A isenção está garantida pela Lei 12.799, de 10 de abril de 2013, publicada na edição de hoje (11) do Diário Oficial da União. Há instituições federais que já adotam isenção total ou parcial para alunos de baixa renda e, com a lei, a gratuidade passa a ser obrigatória.

Para ter a isenção total da inscrição nos processos seletivos, o candidato precisa comprovar que atende cumulativamente às exigências da lei: ter renda familiar per capita igual ou inferior a 1,5 salário mínimo e ter cursado todo o ensino médio em escola pública ou como bolsista integral na rede privada.

A lei estabelece ainda que, em outros casos, as instituições federais de educação superior podem adotar critérios para isenção total ou parcial do pagamento de taxas de inscrição de acordo com a carência socioeconômica dos candidatos.

A Universidade Federal de Goiás (UFG) é uma das instituições em que o estudante que cursou o ensino médio em escola pública e que faz parte de família com renda mensal de até um salário mínimo por pessoa pode se inscrever para requerer isenção na inscrição para o vestibular. A UFG oferece um número determinado de vagas para conceder a isenção. A taxa de inscrição do vestibular é R$ 130,00. As universidades federais da Bahia e de Pernambuco, por exemplo, também têm processos de gratuidade. Elas adotavam critérios próprios.

4ª CI implanta Proerd em Santana do Maranhão



A 4ª Companhia está instalando o Proerd na cidade de Santana do Maranhão, a assinatura do Protocolo de Intenções e a aula inaugural do Programa foi realizada na ultima terça feira dia 09 de abril, e contou com a participação do comandante da 4ª CI, prefeita de Santana e da Secretaria de educação.

O programa irá beneficiar quase 500 alunos das zonas urbana e rural de Santana do Maranhão, o Proerd será aplicado naquela cidade pelo Cabo PM Abilio, que além de Santana estará aplicando o Proerd nas cidades de Milagres, São Bernardo e Santa Quitéria.

No ano de 2013 o Programa Educacional de Resistências as Drogas chega a todas as 17 cidades da área da 4ª Companhia, e já beneficiou há quase 20.000 alunos em todos estes anos que fora aplicado, sendo que onde teve mais alunos formados foi a cidade de Chapadinha.

Atualmente o Proerd é um dos principais programas de combate as drogas e violência, desenvolvido pela Policia Militares do Maranhão, o Proerd tem como tripé Familia, Escola e Comunidade, essa parceria tem trazido ótimos frutos, e tem aproximado a comunidade da instituição policia militar.

A cidade de Santana do Maranhão é a mais nova beneficiada com o Proerd, e segundo palavras da prefeita daquela cidade, que tinha um sonho antigo de instalar o programa em sua cidade e agora isso foi possível.

quarta-feira, 10 de abril de 2013

Proporção de brasileiros que consomem álcool semanalmente cresce 20% nos últimos seis anos, aponta pesquisa

A quantidade de brasileiros que consome álcool semanalmente cresceu 20% nos últimos seis anos, aponta o 2° Levantamento Nacional de Álcool e Drogas (Lenad), divulgado hoje (10) pela Universidade Federal de São Paulo (Unifesp). Entre as pessoas que bebem, a proporção dos que consomem álcool uma vez por semana ou mais passou de 45%, em 2006, para 54% nesta pesquisa. 

O estudo da Unidade de Pesquisas em Álcool e Droga (Uniad) da Universidade Federal de São Paulo mostra ainda que entre as mulheres o aumento nessa frequência de consumo foi ainda mais significativo, passando de 29% para 39%. Entre os homens, o crescimento registrado foi 14,2%.

Em termos gerais, a população que bebe não variou significativamente, passando de 52% para 50%. Pesquisadores destacam que o aspecto mais relevante registrado neste segundo levantamento é o crescimento de um comportamento nocivo em relação ao álcool.

Houve aumento das pessoas que ingerem grandes quantidades de álcool (quatro unidades para mulheres e cinco para homens) em um curto período de tempo (duas horas). A proporção dessa forma de consumo passou de 45% para 59%. Entre o sexo feminino, há novamente, um crescimento maior, de 36% para 49%.

da agencia brasil

terça-feira, 9 de abril de 2013

SSP define estratégias para reduzir homicídios em São Luís

SÃO LUÍS - Com o aumento da violência na região metropolitana de São Luís, a Secretaria Estadual de Segurança Pública (SSP) realizou, nesta segunda-feira (8), uma reunião visando estabelecer estratégias para diminuir os índices de criminalidade.
A reunião foi entre gestores do Sistema de Segurança Pública, que definiram uma série de estratégias visando reduzir o número de homicídios na capital. O secretario de Segurança, Aluisio Mendes, esteve, pela manhã, reunido com a Polícia Civil e à tarde com os comandantes de Batalhões e Unidades da Polícia Militar da capital.
Segundo a SSP, a meta da Secretaria é que os números reduzam em 10%. Aluisio Mendes cobrou resultados eficazes e imediatos que se traduzam em prisões de envolvidos com os crimes e ações mais ostensivas, e pediu uma maior integração das forças policiais. As ações, segundo a secretaria já terão início imediato.
“Estamos discutindo ações estratégicas que façam frente a estes números. Cada instituição vai desenvolver trabalhos de sua competência, com a participação da inteligência. A Polícia Civil deverá ampliar o cumprimento dos mandados de prisão dos autores dos crimes e a Militar vai intensificar o patrulhamento ostensivo e preventivo em todos os bairros. A população pode esperar em um curto espaço de tempo uma resposta positiva e continuará a ter tranquilidade”, afirmou Aluisio Mendes.
Nas reuniões, o secretário afirmou que o governo do Estado tem feito diversos investimentos no Sistema de Segurança, como a aquisição de viaturas, motocicletas, reforma de prédios, compra de armamentos e equipamentos, dando condições aos profissionais para desempenhar um bom trabalho em suas instituições. Além disso, Aluisio falou da importância da agilidade dos concursos públicos. Segundo ele, o governo do Estado tem tentado promover o maior processo seletivo dos últimos anos para ingresso nas polícias Civil e Militar e para o Corpo de Bombeiros, mas é preocupante a paralisação do certame por conta dos mandados de segurança impetrados pelos candidatos na Justiça. Aluisio afirmou que essa medida está causando um grande prejuízo para os trabalhos policiais, uma vez que o Maranhão possui o menor efetivo policial do país.
Tráfico de drogas
Com base nos dados da analise criminal do Centro Integrado de Operações de Segurança (Ciops), Aluisio Mendes informou que os homicídios têm relação direta com tráfico de drogas. Segundo ele, a disputa de espaços na venda de entorpecentes seria a causa de grande parte dos crimes desta natureza.
“As operações de repressão ao tráfico que vem sendo feitas tem causado um desconforto nos gerenciadores do tráfico, porém isso não justifica as ocorrências de homicídios. Traficante não tem que matar traficante. Estes criminosos devem estar presos. Já identificamos esses soldados do trafico, que são aqueles que matam por conta da disputa”, enfatizou o secretário de segurança.
Para a delegada-geral de Polícia Civil, Maria Cristina, alguns dos homicídios já têm uma linha de investigação avançada. Segundo ela, cada distrito policial deverá entregar um relatório sobre todos os homicídios apurados ou sob investigação e ainda da produtividade de cada área.
Outras ações
Em relação aos trabalhos repressivos, o comandante do Policiamento Metropolitano, coronel João Nepomuceno afirmou que vai realizar diversas ações nos próximos dias. “Estaremos integrando esforços para impedir o avanço do crime na cidade. Vamos fechar o cerco contra o crime”, disse.
Ainda durante a reunião, os comandantes das unidades policiais foram unânimes em reconhecer que é necessário uma atuação mais enérgica do Judiciário, uma vez que muitos criminosos presos pela PM ou pela Polícia Civil acabam retornando para o convívio em sociedade e cometendo novos delitos. Ficou acordado ainda na próxima sexta-feira (12), que os gestores voltarão a se reunir e avaliar os primeiros resultados.

do imirante.com

Ministério Público e Polícia Federal fazem operação em 12 estados para combater esquemas de corrupção

da Agência Brasil
São Paulo - O Ministério Público (MP) e a Polícia Federal (PF) fazem hoje (9) uma operação em 12 estados brasileiros para combater esquemas de corrupção em licitações públicas. A ação, coordenada pelo Grupo Nacional de Combate às Organizações Criminosas (Gncoc), pretende cumprir 86 mandados de prisão, 311 de busca e apreensão, 65 de bloqueio de bens e 20 de afastamento das funções públicas. Participam da operação 144 promotores de Justiça e 1,2 mil policiais federais, rodoviários, civis, militares, além de servidores de tribunais de Contas, da Controladoria-Geral da União (CGU) e das receitas Federal e estaduais.

Os mandados estão sendo cumpridos na Bahia, no Ceará, Espírito Santo, em Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Pernambuco, no Paraná, Rio Grande do Norte, Rio de Janeiro, em Rondônia e São Paulo.

As pessoas suspeitas de participar do esquema são acusadas de desvios de recursos em órgãos municipais e estaduais, pagamento de propinas, superfaturamento de produtos e serviços, utilização de empresas fantasmas, lavagem de dinheiro, sonegação fiscal e enriquecimento ilícito de agentes públicos. Entre os acusados estão empresários. No total, as verbas públicas sob investigação ultrapassam R$ 1,1 bilhão.

Em São Paulo, a operação está concentrada em São José do Rio Preto. No município do noroeste do estado, uma investigação do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) identificou que empreiteiras do ramo de pavimentação asfáltica manipulavam licitações públicas em municípios do interior. A suspeita é que elas simularam uma competição entre si com o objetivo de superfaturar as obras. De acordo com o Ministério Público do Estado de São Paulo, pelos menos 80 prefeituras fizeram contratos com esse grupo, que superaram R$ 1 bilhão.

Também há suspeita de que servidores e agentes públicos facilitaram a atuação da organização criminosa para desviar recursos municipais, estaduais e federais. O MP constatou o pagamento de propina a servidores municipais no valor de R$ 70 mil. Os investigados responderão pelos crimes de fraude à licitação, desvio de verbas publicas, corrupção ativa e passiva e formação de quadrilha.

segunda-feira, 8 de abril de 2013

Aluisio Mendes fala sobre aumento da violência no MA

O secretário de Segurança Pública do Estado, Aluisio Mendes, em entrevista à rádio Mirante AM, falou sobre o aumento do número de assassinatos nos últimos dias no Maranhão.

Segundo o secretário, o aumento da violência fugiu da normalidade e, por conta disso, decidiu se reunir com os comandantes das polícias em São Luís, para elaborar um plano de trabalho no sentido de minimizar os índices de criminalidade. Só neste fim de semana teve cerca de 20 assassinatos no Estado.

“Nós convocamos todos os que trabalham na segurança para uma rápida intervenção, precisamos dar uma resposta a isso. Nesta reunião, traçamos uma estratégia conjunta para voltarmos a dar tranquilidade para a população, faremos monitoramentos diariamente”, garantiu Aluisio Mendes.
O secretário afirmou ainda que, até o momento, não há intenção de fazer mudanças na sua equipe de trabalho, mas caso as estratégias estabelecidas para melhorar a segurança no Estado sejam descumpridas, poderá haver algumas modificações.

Falta de policiamento
O secretário admitiu haver poucos policiais no Maranhão. Segundo ele, o Estado é o que tem o pior efetivo policial. A situação se dá devido aos problemas na execução de concursos públicos. “Nós temos, de fato, um baixo efetivo policial, não podemos negar isso. Há uma falta de concursos regulares, nós temos cobrado celeridade nos concursos para a Segurança, para que possamos melhorar esse efetivo”, disse o secretário.

Apesar do problema, o secretário afirmou que não se pode justificar o aumento da violência apenas por conta desse deficit policial. Aluísio afirmou que há outros fatores contribuindo com o aumento da criminalidade. “Alguma coisa está acontecendo, tivemos muitos crimes e isso pode ser uma consequência do aumento do tráfico de drogas. O tráfico tem aumentado a violência, temos que combater os ‘soldados do tráfico’, que tem tirado a vida de muitas pessoas”, explicou o secretário.

Aluísio disse que sua equipe está preparada para identificar as causas do aumento indiscriminado da violência no Maranhão, e vai fazer todo o esforço possível para minimizar esse problema.

Do Imirante

Padre Manoel Neves, um exemplo de Missionário



Hoje quero através deste Post parabenizar o trabalho do pároco de nossa cidade, o padre Manoel Neves, um homem que através de seu trabalho pastoral luta para que a nossa cidade seja mais justa, e igual para todos que nela residem.

 Uma das últimas recomendações de Jesus foi para pregar o evangelho a toda criatura. Esta ordem de Jesus deixa muito claro o seu propósito para a igreja: pregar, evangelizar, anunciar a todos os povos a salvação em Cristo Jesus. E este papel Padre Neves faz diariamente e com muita dedicação.

Deus quer que a igreja seja missionária, que façamos missões e que cumpramos esta difícil, porém necessária tarefa de levar o maior número possível de pessoas a conhecer Jesus. Tenho certeza que desde que Padre Neves deixou a sua terra natal, e veio para nossa região, veio com o intuito de ser um missionário, e sei que só o seu amor incondicional a DEUS.

Como tem exercido o seu dever de evangelizador, padre Neves tem que ter seu trabalho reconhecido, gostaria de compartilhar esta matéria com os meus leitores, por achar importante esse assunto. Manoel Neves é um exemplo de humildade, fé e de responsabilidade com a obra de Deus.

Nem sempre concordo com a sua postura, mas tenho que destacar o trabalho deste missionário em nossa cidade, o nosso pároco vem construindo novas igrejas, reformando e aumentando algumas capelas, incentivado as pastorais e lutado pelo bem comum de Chapadinha.

“Deus nos pede que demos ao Seu serviço o primeiro lugar em nossa vida, e não permitamos se passe um só dia, sem que façamos alguma coisa para avançar Sua obra na Terra.” “É a consagração da vida e de todos os seus interesses que é necessário. Os que fazem essa consagração, ouvirão e obedecerão o chamado do céu.”, e você Padre Neves é um desses missionários, parabéns.