segunda-feira, 15 de dezembro de 2014

Caminhada contra morte de policiais reúne 3 mil pessoas na Av. Litorânea

Uma caminhada de sensibilização contra a onda de violência aos agentes da lei aconteceu na Avenida Litorânea neste domingo (14), por volta das 9h e levou uma multidão para a orla marítima de São Luís. Cerca de três mil pessoas foram percebidas no local no sentido de se solidarizar e repudiar contra a morte de policiais civis e militares ocorridos no Estado.
Na passeata compareceram os familiares dos policiais que foram vítimas, além de amigos, a cúpula da Secretaria de Segurança na pessoa do Secretário de Segurança Pública Marcos Afonso Júnior, do futuro Secretário Jéferson Portela, da Promotora Lítia Cavalcante e ainda da presença dos Coronéis, Delegados, Sindicatos e demais autoridades.
Cerca de três mil pessoas compareceram na Avenida Litorânea para somar em repúdio à onda de violência que tem acontecido na capital contra os policiais.
Familiares e amigos percorreram por uma das vias da orla marítima e chamaram a atenção dos banhistas e clientes que passavam pelo local. Muitos dos participantes estavam com faixas e cartazes no sentido de dar apoio aos familiares das vítimas.
Entre os familiares dos policiais que participaram do manifesto estava a filha do Sargento Carlos Magno Sá que foi uma das últimas vítimas da ação dos criminosos.
O sargento Sá foi baleado no dia 7 de dezembro e não teria resistido aos ferimentos. A filha do Sargento Sá estava muito abalada e chorando por todo o percurso e sempre recebendo demonstração de carinho pelos familiares e amigos que estavam na caminhada.
Forças em Conjunto Contra a Violência
Compareceu no movimento de sensibilização contra a violência aos policiais a promotora Lítia Cavalcante que externou a sua opinião para a reportagem do O Imparcial e disse que “O Estado precisa se posicionar e agir de uma forma mais contundente e forte contra a criminalidade, para que possa ter um resgate e paz à população que está amedrontada. O Ministério Público se solidariza com as famílias dos policiais mortos e demonstra uma indignação pelo que está acontecendo. Estamos aqui para demonstrar esta indignação. Os poderes são unidos e esta passeata que está acontecendo hoje é também uma forma de demonstrar uma preocupação e que a violência não pode continuar, já chegou ao limite, finalizou a promotora”.
Ação Integrada Contra a Criminalidade
O futuro Secretário de Segurança Pública Jéferson Portela que esteve também na manifestação, disse para a reportagem que “Há aqui neste manifesto uma união das instituições, pois além das polícias, há o apoio do Ministério Público e do Judiciário, o que é fundamental para o combate á criminalidade. O papel de polícia será feito sem dúvida nenhuma, no sentido de dar um basta nas ações criminosas. A força do estado não treme diante da força do marginal”.
O futuro secretário salientou ainda que a partir de janeiro, a polícia no seu mandado agirá de forma firme contra a marginalidade. “Haverá uma ação muito grande com uma integração policial contra a marginalidade, sendo que é importante o apoio institucional do poder Judiciário e do Ministério Público.
Somente com essa união dos estados e a federação possam agir contra a criminalidade que assusta o Maranhão. A família pode contar com o Sistema de Segurança, pois estamos trabalhando muito forte na transição. A Polícia Civil, Militar e o Corpo de Bombeiros estão se reunindo e traçando todo o planejamento e ações integradas para ação imediata a partir de 1º de janeiro”, finalizou o delegado.
Saiba Mais
Somente este ano foram 15 policiais que perderam a vida de forma violenta, sendo que em sua maioria, as mortes estão relacionadas ás facções criminosas, que poderiam estar realizando retaliações contra as forças de segurança.
No dia 7 de dezembro foram alvejados dois policiais militares, Carlos Magno Sá, 42 anos, morto no bairro da Forquilha e o policial identificado como Sebastião Luís Rocha Neto, 26 anos, ao ser atingido a tiro no bairro do Desterro.