quarta-feira, 4 de dezembro de 2013

PT fará jogo duplo no Maranhão


Sarney e Lula Do CORREIO BRAZILIENSE

A ordem que Lula e Dilma Rousseff estipularam para o chamamento dos partidos aliados às conversas sobre palanques estaduais obedece ao critério de tamanho das bancadas. O PMDB tem 75 deputados. O PP, 44. O próximo será o PR, que tem 32. É isso que define o tempo de tevê. Hoje, avaliam os petistas, por mais que Dilma esteja bem nas pesquisas e tenha condições reais de reeleição, o sentimento de mudança latente preocupa o partido. Portanto, quanto mais tempo de tevê ela obtiver para mostrar o governo e evitar que Aécio Neves e Eduardo Campos apareçam, melhor. Afinal, por quê motivos eles iriam se reunir com o PP no sábado à tarde na Granja do Torto e passar a manhã com o PMDB se estivesse tudo às mil maravilhas? A preocupação é fato. E quanto antes tudo for resolvido, melhor.


O problema é que o PT não tem conseguido nas conversas passar aquela sensação de que está tudo bem. As legendas que já conversaram sentiram que o papo presidencial é do tipo, dá cá. Sem o toma lá. No caso do PMDB, por exemplo, a impressão de muitos é a de que o amor de Lula e Dilma para com o partido já foi maior. Até março, leitor, sustos virão.

A fúria
Lula não gostou do vazamento do teor das reuniões de sábado. Ele comentou com os petistas logo depois: “não tenho como ficar contra o Sarney no Maranhão”. Resultado: o PT fará jogo duplo por lá. Uma ala vai de Flávio Dino, do PCdoB, outra vai engrossar a chapa patrocinada pelo clã do ex-presidente José Sarney e a governadora Roseana.

Nigerianos são achados no fundo de navio cargueiro no Maranhão

Segundo a Capitania dos Portos, o grupo de cinco homens viajava de forma clandestina em um compartimento que direciona o leme da embarcação...