sexta-feira, 3 de fevereiro de 2012

Malas, Malinhas e Maletas..... Bolsas, Bolsinhos e Politiqueiros Chapadinhenses

Todos nós somos sabedores de que neste ano, em todos os municípios e capitais do Brasil, vai ter eleição direta para prefeito e vereadores. Aqui estamos nós mais uma vez. Vamos, obrigatoriamente, ter que votar (em alguém, branco ou nulo. Quem sabe?), e como de praxe já teve inicio a ação dos politiqueiros Chapadinhenses.

Na cidade de chapadinha vivemos uma grande guerra, uma verdadeira guerra do poder. A fascinação de um pequeno grupo de pessoas em estar sempre no poder é enorme. Pequeno grupo, este, onde concentra-se em suas mãos o dinheiro as melhores escolas, casas, dormidas, comidas e, principalmente, a vida de um enorme número de pessoas. O grande número de pessoas, os pobres e miseráveis, o outro lado da moeda vive pessimamente mal, em um submundo real, triste e doloroso. Mas que para alguns passa despercebido, basta da uma volta pela periferia de chapadinha para ser confirmada minha afirmação.

A vontade de dominar, estar sempre no centro das relações sociais. Faz-se de tudo para estar no comando, no domínio, no poder. Sendo o poder governamental de natureza jurídica, onde, para tentar equilibrar a sociedade, a ação política dos indivíduos perde o sentido, no instante em que cabe aos juízes corrigir insjustiças e erros. E a situação da peble que se dane, vale mais surrupiar as tetas do dinheiro público.

Hoje estamos vivenciando uma loucura com alguns politicos de chapadinha, das quais podemos citar algumas sem medo de errar: Ataques pessoais, e a exposição de vida intima, inimigos mortais no passado em pleno namoro, chegando já a marcar o casamento, baixaria, hipocrezia, falta de carater por parte de alguns, e a ausencia do que é certo ou do que é errado, nada disso importa para uma linhagem de politicos locais.
Não é difícil de observar que hoje em dia, a politicagem e os politiqueiros, que fazem suas propagandas enganosas a olhos vistos, usando o povo e tomando como suas reivindicações antigas nascidas de lutas básicas por melhores condições de vida, e isso está acontecendo em nossa cidade com uma intensividade enorme.

Nesses momentos, em que o jogo do poder privilegia os "puxa-sacos"cai por terra os valores profissionais dos "comandos"que são jogados de um lado para o outro, ou porque se opõem ao sistema ou simplesmente por tentarem declarar sua neutralidade, quantas pessoas de Chapadinha já foram vitimas desta prática, e quantos mais serão vitimas.

O poder existe de fato e de direito, e é notório que as mudanças e até as teorias revolucionárias propõem a tomada do mesmo para tutelar as transformações esperadas. Não discuto aqui a função do Estado, nem a institucionalização do poder, mas deixo registrada minha indignação com a forma, sem critérios, de alguns politiqueiros que por sua sede de poder, esquecem que o verdadeiro poder emana do povo, que, embora, ainda inconsciente, não merece ser usado, explorado e agredido por seus falsos profetas. A Chapadinha que eu amo está incluida neste contexto, vamos refletir na hora de votar, e fazermos uma boa escolha.