b

b

sexta-feira, 20 de setembro de 2013

A opinião pública e o mensalão



Recife (PE) - Nas notícias do voto do ministro Celso de Mello, boa parte da grande mídia preferiu destacar um aparente desprezo do ministro pela opinião pública. Segundo jornalistas dos veículos de grande massa, Celso de Mello, ao desempatar no STF uma decisão a favor dos réus, teria agido como um ser imperial, ou imperador, que dá as costas ao povo e à cidadania. Calma, amigos, esse tipo de relato que acusa pela distorção é típica de madrastas de cruéis quadros da infância. Maledicência de menos e mais verdade e justiça seriam bem-vindas.

Notem que antes do esperado voto de minerva, ninguém viu ou leu nos magníficos colunistas qualquer condenação às artimanhas da sessão anterior de 11 de setembro, quando os ministros Marco Aurélio, Gilmar Mendes e Joaquim Barbosa manobraram para adiar o voto que adivinhavam discordante para outro dia. Nada demais, até porque esses modelos de moralidade articulavam com o maior desembaraço a favor da condenação dos réus, na maior cara de pau e chicana. Mas tudo conforme a ética de torcedores de time de  futebol, para que desabassem sobre Celso de Mello as mais desonestas e covardes pressões, da mídia, dos amigos e da população.
Nos artigos de hoje, nas reportagens, perde-se uma oportunidade de ouro para analisar os conflitos entre ética pública e privada. Eu deveria escrever, para ser mais preciso, ética da privada. Seria um oásis para a inteligência e sensibilidade de todo o povo se comentassem os julgamentos do passado que na verdade foram autênticos linchamentos, na justiça cega das ruas, que terminavam em forca, sangue, faca e pedras. Seria didático trazer para o grande público a discussão da peça Um Inimigo do Povo, de Ibsen, onde um médico honrado se vê transformado em inimigo público número 1 de uma cidade, pela simples razão de falar a verdade contra os interesses comerciais do lugar.
Mas devo estar sonhando. Menos, voltemos ao chão. O fato é que não se atentou para um momento raro de homem público, que se envolveu ele próprio no destino comum dos réus ao atrair contra si a fúria de um linchamento político. Preferiram, os formadores de opinião, destacar o trecho em que o ministro afirma que as decisões judiciais não podem se curvar às manifestações do povo, uma vez que “O Judiciário não pode se contaminar pela opinião pública”, conforme o relato maldoso das madrastas de contos infantis.
Cabe uma pergunta: que diabo é mesmo essa tal de “opinião pública”? Os dicionários a definem como  “o conjunto de todas as ideias, opiniões, critérios de valor etc. de uma sociedade, com relação a qualquer campo de interesse”. Ou desta maneira: “a opinião prevalecente da maioria dos membros de uma sociedade sobre determinado assunto, e que expressa sua vontade, seu critério, sua tendência”. Mas esse não é o conceito de “opinião pública” dos grandes comunicadores.  No que se refere ao julgamento de petistas no STF, a maioria dos jornais confunde opinião pública com opinião publicada. Se os editores olhassem mais críticos para suas “cartas à redação”, veriam a partir delas que as letras saídas nos jornais não são bem a voz da sociedade, porque mais de uma vez as cartas se inventam. As opiniões ali são falsas ou por claro exercício da mentira, ou por seleção rigorosa do que interessa publicar, o que é outra forma de invenção. Disso os editores até sabem. Digamos, numa concessão à sua inocência, que eles parecem não ver é outra coisa.  
Na verdade, os formadores de opinião, os mais bem pagos jornalistas brasileiros moram bem longe do povo do Brasil. Em mais de um sentido, alguns repórteres e colunistas se tornam desfazedores da opinião. Em um sentido familiar, nordestino, desfazem de, zombam, diminuem, depreciam a opinião pública. A verdade, acreditam, é aquilo que o jornal noticia. A verdade é a sua versão, repetida até o limite que sature, até um limite que, aí sim, gere descerebrados. "O sucesso de um jantar é o que sair no jornal", falam. Ou seja, o leitor seria um perfeito idiota, uma tábula rasa, que receberia passivo a imagem e as palavras que lhe forem impressas. A opinião pública é a opinião da imprensa, acreditam, e caem no mais profundo erro.
Daí que em lugar de uma análise pedagógica, de uma discussão política e filosófica, sonha, menino, os formadores preferem açular a massa contra o PT e passam a incentivar opiniões do gênero “ladrão comum, no Brasil, vai para a  cadeia, já os políticos petralhas fazem dos tribunais um circo”. E concluem que o voto do ministro Celso de Mello levou a quadrilha de mensaleiros a zombar do povo brasileiro. Mas nem tudo está perdido, amigos. Recomendo aos raros leitores que passem um olho, pelo menos no resumo de Um Inimigo do Povo, aqui Clique aqui . Nada mais pedagógico hoje, neste momento dos 92 anos do educador  Paulo Freire.

 autor deste artigo Urariano Mota