b

b

terça-feira, 30 de julho de 2013

Chapadinha em que cidade vivemos? Que cidade queremos??




Moro em Chapadinha há 23 anos, e nesta bela cidade conquistei muitas coisas, neste período tenho visto um monte de transformação a que a cidade sofreu. Mas, o que os moradores e os gestores de hoje aprenderam com o passado? Por que a cidade que já foi considerada a princesa do baixo Parnaíba, perdeu importância? Quais são os principais problemas que afligem a população que reside em Chapadinha? Que cidade queremos para o futuro? Essas perguntas constituem a base para a discussão e análise dos elementos e conteúdos que concorreram e concorrem para a transformação da Chapada das mulatas.


Ontem a nossa cidade foi palco de um evento esportivo denominado Atleta da Escola, evento este que teve a participação de 14 municípios, mas o surpreendente e que a nossa cidade por ser sede do evento, teve a menor delegação com a participação de apenas uma escola e menos de 10 atletas. A cidade de Brejo mandou quase 200 alunos. Isso me revolta, aqui eu escolhi viver, aqui conquistei muitas vitórias, por que será que isso não foi noticiado.

O crescimento urbano de Chapadinha e sua influência no cotidiano. A construção do ambiente urbano em Chapadinha. Em que cidade vivemos? Que cidade queremos neste milênio? Isto tendo por referência as
transformações pelas quais a cidade passou ao longo dos últimos anos, será que houve uma preparação para esta urbanização?

Ultimamente os índices de violência em nossa cidade aumentaram de forma assustadora, Assaltos, homicídios, roubos, tráfico de drogas e violência no transito, por que será que a nossa cidade está sendo bombardeada com tanta violência? Daí a pergunta e a referencia ao evento Atleta da Escola, em uma cidade com mais de 80.000 habitantes, sede do evento, ter o menor numero de participantes, é no mínimo vergonhoso e irresponsável. E não falo isso só da atualidade, mesmo por que o esporte em Chapadinha sempre foi tratado com desprezo, e a prova disso é o Ginásio de esporte que nunca foi concluído, e todos nós somos sabedores de que o esporte é um fator essencial no combate a violência.

Por aqui um determinado fato sempre tem a sua realidade destorcida, a nossa mídia sempre coloca de forma que lhe convém, ou seja, satisfaz ao seu próprio interesse. Não há uma preocupação por parte de alguns profissionais no que esta noticia possa influenciar o destinatário, as vezes as paixões políticas partidárias e os interesses próprio sucumbem a verdade.

Apontar o problema sempre foi fácil, mas apresentar a solução ta sendo difícil, residimos aqui, e por aqui construímos nossos sonhos, a Chapadinha que eu desejo a todos está sendo dizimada por interesses pessoais, por falta da aplicação do dinheiro público em sua forma correta, e isso já faz muito tempo, e que sofre a consequência somos todos nós, alguma coisa precisa ser feita, a nossa cidade não suporta mais tanta agressão e violencia, está na hora de se botar um pontal final na vergonha que tem sido as ultimas administrações publicas de nossa cidade.


Mudanças econômicas, sociais, culturais, ambientais e espaciais, influenciam o ritmo e modos de vida da população chapadinhense, enfim, o cotidiano; Entre as diferenças que os seres humanos apresentam, são as relativas aos instrumentos e técnicas utilizados para controlar/apropriar/ explorar o meio natural e as formas como organizam a sociedade. O que não se pode aceitar e ver a nossa cidade sendo dilacerada por conta de más gestão publica, isso é inaceitável.

Analisar as transformações econômicas, políticas e espaciais que ocorreram em uma cidade e se repercutiram sobre a população e o seu cotidiano não é uma tarefa fácil e tampouco nova. Em se tratando de Chapadinha, onde algumas pessoas se acham dona da cidade, e não são capazes de aceitar a mudança, mudança esta que está visível e que tem que acontecer, afinal não vivemos em outro país. So assim teremos uma cidade mais justa e igual para todos.