b

b

quinta-feira, 24 de fevereiro de 2011

A Degradação da familia brasileira

Ultimamente na cidade de Chapadinha tem acontecido muitas coisas que tem me deixado bastante triste, e umas delas e como a familia está sendo degradada, são tantas as coisas impostas em nossas pessoas que valores outrora importantes estão sendo esquecidos.
Considerando que a degradação do conceito de família é uma das causas da instabilidade social refletida no aumento da criminalidade. «Se não se apostar na família, se não se cuidar verdadeiramente da família, da sua estabilidade e dos seus valores, jamais serão resolvidos os problemas que atormentam a nossa sociedade e as próprias famílias. Se não se atacarem as causas, iremos passar a vida a remediar os efeitos com aspirinas que só causarão insónias e mais dores de cabeça».
Na cidade de chapadinha tem ocorrido um aumento da criminalidade, e entre as causas do aumento de criminalidade em nossa cidade, está a degradação do conceito de família.  mas, «se toda a gente sabe disso, convém a muita gente manifestar que não sabe, até para poder dizer à boca cheia que aqueles que defendem a família estruturada em valores são retrógrados e antigo ».
«A família é, foi e será o núcleo fundamental da sociedade. É a família que tem papel determinante na transmissão de valores, na recepção gradual de regras de comportamento e de respeito mútuo. Há vozes que se levantam, e bem, contra a precariedade e a instabilidade do emprego, contra a falta de condições existenciais na diversidade das suas dimensões e que também perturbam a família”. Mas “salvo raras e boas excepções”.
Atualmente a  criminalidade e a insegurança, tornou-se o assunto atual em todas as mesas de debates, “se fala muito da instabilidade social, da criminalidade impune, da insegurança em que vivemos, da falta de respeito pela vida, pelas pessoas e seus bens. Querem convencer-nos que tais chagas sociais se vão resolver com mais polícias na rua, com melhores armas para matar, com novas leis e reforma do Direito e do Processo Penal, com mais isto e mais aquilo. O que é certo, porém, é que a sociedade vive apreensiva, amedrontada e sofredora, e muitos continuam a ficar sem os seus bens e, não raro, humilhados e traumatizados de braço dado com as costas quentes e a cabeça rachada. E tudo se desculpa. E tudo parece já pertencer à normalidade do quotidiano. Um noticiário que não passe grande parte do seu tempo a falar de assaltos, roubos, tiros e mortes, o que na verdade da mais audiência, por que a midia em si não tem muito interesse em divulgar coisas boas.
Quanto ao que ta acontecendo com as nossas crianças diante do comportamento violento pode surgir em famílias estruturadas e de relacionamentos duradouros também. As crianças são muito frágeis e vulneráveis a tudo que se refere às pessoas mais próximas. A maior parte dos agressores são parentes próximos.
A irresponsabilidade e o despreparo de algumas pessoas em relação à educação das crianças é que acaba se transformando em violência, principalmente em meios onde há a falsa crença da impunidade.
Não quero ser tachado de retrogrado, nem preconceituoso, mas procuro fugir dos meios de comunicações que tanto ridicularizam a moral e a castidade, não é aceitavel que seja colocado em nobre pela TV, temas como homosexualidade como sendo uma coisa normal, que me perdoem os seus idealizadores, não tenho preconceitos, mas não aceito isso.
A penetração nos lares da midia televisiva, prendeu as familias nas salas de visitas, primeiro com inocentes comédias nacionais, de Oscarito, Grande Othelo, Mazaroppi, Didi, claro os inesquiciveis western. Hoje, as familias ficam nos seus lares sitiadas a telinha que ensina e exemplifica o mal, formadora de opnião e de degradação moral.